sexta-feira, 28 de julho de 2017

VEJA ESSA INFORMAÇÃO

Sabe o que exatamente a chapinha ou secador faz no seu cabelo? Estudo responde. Foto: Reprodução

A análise aconteceu entre 2011 e 2016 e foram examinadas faixas de cabelo virgem de diferentes etnias
Um estudo realizado na Faculdade de Ciências Farmacêuticas e no Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP) pela pesquisadora Cibele Rosana Ribeiro de Castro Lima mostrou quais são os resultados da chapinha e do secador nos diferentes tipos de cabelo.

A análise aconteceu entre 2011 e 2016 e foram examinadas faixas de cabelo virgem de diferentes etnias, como a caucasiana, a oriental, a brasileira e a africana.

A diferença de etnia na análise dos fios se dá por conta da diferença de formulação de cada um. Alguns possuem mais elasticidade, outros mais brilho, mais resistência ou fragilidade e as características influenciam em como o cabelo reage.

Efeitos da chapinha e do secador



Cabelo africano


Por causa de sua formação mais ondulada, os fios africanos são os mais delicados. Eles têm uma distribuição de óleo irregular e pouca água, por isso costumam ser mais ressecados. Com tais características, quando em contato com os utensílios, foram os que apresentaram maior fragilidade e danos.


Durante a pesquisa, foram estudados fios coletados na África do Sul e Gana, que mostraram ter menos resistência, além de quebrar conforme eram penteados. Quando testado, os fios perderam as proteínas quando foram expostos a temperaturas a partir de 223ºC.

Cabelo caucasiano

Com amostras europeias, os fios caucasianos são levemente ondulados e costumam ser na cor castanha escura.



Seus resultados foram um pouco melhores do que os dos fios africanos. As proteínas só começaram a se perder quando as chapinhas e os secadores atingiram 236ºC.

Cabelo oriental

No Japão, China e Coreia, é comum que as pessoas tenham fios lisos em toda a extensão e mais grossos.


Na pesquisa, foi possível ver que são os cabelos mais resistentes, mas as proteínas desses fios começaram a desaparecer a partir dos 236ºC, assim como os caucasianos.

Cabelo brasileiro

A pesquisadora optou por testar os fios brasileiros depois da descoloração. O resultado passou longe do positivo.


Depois de ser alisado com a chapinha, o cabelo se mostrou muito frágil, mais do que os fios africanos. Além disso, apresentou mais porosidade, cheio de falhas. O nível de proteína caiu ainda mais do que o dos cabelos virgens.

Protetores térmicos

Durante o estudo, Cibele notou que os produtos que devem ser usados antes da chapinha e do secador não evitam tanto os danos, mas minimizam seus efeitos.


Fotos: Reprodução 

A pesquisadora analisou tanto um protetor térmico de silicone quanto um leave-on e descobriu que fios descoloridos têm resultados melhores com os produtos de silicone, já que eles formam películas térmicas no fio, protegendo melhor do calor.

Já os virgens terão menos prejuízos se aliados com o leave-on, que oferece mais água na composição e penetra no cabelo, sem ficar apenas na superfície.

Leave-in x Leave-on

É comum encontrar leave-in nas prateleiras de perfumarias. Esse produto costuma penetrar mais nos cabelos, podendo resistir várias lavagens. Já o leave-on é utilizado para proteger a superfície do cabelo.


A escolha do produto também é importante: a composição, o tipo e o estado do cabelo devem ser levados em consideração na hora da compra.

Vix.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

o