sexta-feira, 28 de julho de 2017

INTERESSANTE.



Colar que 'conecta' vacas à internet melhora produção de leite na região dos Campos Gerais do Paraná.
Cerca de 10 produtores da Castrolanda Cooperativa Agroindustrial apostam em acessório (Foto: Castrolanda Cooperativa Agroindustrial/Arquivo pessoal)
Pecuaristas da região dos Campos Gerais do Paraná têm investido, cada vez mais, em tecnologia. Em Castro, na Castrolanda Cooperativa Agroindustrial, o Colar de Monitoramento Animal vem ajudando o rebanho a produzir mais e com uma qualidade melhor.
O colar, instalado no pescoço da vaca, a acompanha 24 horas por dia. O aparelho monitora a ruminação e consegue identificar doenças que só seriam diagnosticadas com a presença do veterinário.O equipamento também identifica o período em que a vaca está no cio.
Para os produtores rurais, um dos maiores desafios é identificar quando uma vaca está no período fértil. O tempo de manifestação do cio, segundo eles, é relativamente curto: de aproximadamente seis horas, no caso de vacas de alta produção.
Há, ainda, outro detalhe: a fase fértil ocorre, geralmente, à noite, quando não tem mais ninguém na fazenda. Por isso, em Castro, os pecuaristas têm investido, cada vez mais, no colar eletrônico.
No computador, todos esses dados colhidos aparecem detalhados. Eles mostram as vacas prontas para inseminar, as prenhas ou não e as que estão no cio, além de outras informações sobre elas.
Para acessar às informações, não é necessário estar na propriedade: basta olhar pela tela do computador, do celular ou do tablet.
"Você entra no aplicativo e consegue ver as vacas que estão com a saúde ruim, as que estão no cio e a ruminação do rebanho inteiro", relata o pecuarista Robert Salomons, que monitora cerca de 300 animais da raça holandesa há dois anos.
Robert garante que a produtividade aumentou depois que investiu em tecnologia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

o