segunda-feira, 26 de junho de 2017

VEJA ESSA NOTICIA

Menor tatuado na testa passa pela 1ª sessão para remover frase ‘eu sou ladrão e vacilão’, diz clínica de reabilitação. VEJA VÍDEO.Foto: Reprodução


Garoto teve a testa tatuada no início do mês
O adolescente de 17 anos que teve a testa tatuada à força no início deste mês, como punição porque teria tentado furtar uma bicicleta no ABC, passou neste sábado (24) pela primeira sessão para remoção da frase ‘eu sou ladrão e vacilão’.

A informação foi confirmada ao G1 pela clínica de reabilitação onde o menor faz tratamento contra o vício do crack e álcool na Grande São Paulo.

“Começou hoje [sábado]. Já fizeram a primeira sessão, tá?! Ela [a responsável pela remoção] já fez.


Nós vamos acompanhar com pomada, não pode tomar sol, tá bom? Mas já começou a primeira sessão.

Foi hoje lá”, disse Sérgio Castillo, diretor terapêutico da clínica Grand House, em Mairiporã, responsável por tratar gratuitamente do garoto.

Segundo Castillo, uma clínica de estética de São Bernardo do Campo também se comprometeu a remover de graça a tatuagem feita no adolescente.


Como o menino está em abstinência, por questões de segurança, a recomendação foi que ele passasse pelas sessões de laser em Mairiporã.

Ao todo, ele deverá ser submetido a dez sessões, sendo uma por mês. A expectativa é que a inscrição seja removida até março de 2018.

O menor foi internado no dia 13 de junho na clínica particular de Mairiporã. Ele deverá ficar até o fim deste ano para se reabilitar da dependência química.


Ainda de acordo com a Grand House, a pedido da proprietária da clínica que cuida da remoção, o nome da empresa não está sendo divulgado.

O menor foi tatuado no dia 9 de junho em São Bernardo pelo tatuador e músico Maycon Wesley Carvalo dos Reis, de 27 anos.


O vizinho dele, o pedreiro Ronildo Moreira de Araújo, 29 anos, filmou.

Com a divulgação e compartilhamento do vídeo nas redes sociais, a Polícia Civil prendeu os dois homens em flagrante.


Os dois confessaram ter tatuado e filmado o menor como forma de puni-lo porque ele queria furtar a bicicleta adaptada de um deficiente físico.

Maycon e Ronildo foram indiciados por tortura, mas o Ministério Público (MP) não concordou com a investigação policial e denunciou os dois à Justiça pelos crimes de constrangimento ilegal, lesão corporal e ameaça.


As defesas dos dois acusados deverá pedir a liberdade deles para que respondam soltos pelo que fizeram.

Os agressores e o dono da bike moram numa pensão no centro de São Bernardo, onde o menor foi levado após desaparecer no dia 31 de maio.


Ele só foi encontrado no dia 10 de junho, um dia após ter a testa tatuada.

Segundo o 3º Distrito Policial (DP) de São Bernardo, Maycon e Ronildo pegaram o menor na pensão da Rua Jurubatuba.


Lá, prenderam o garoto numa cadeira. Rindo, Maycon tatuou a testa da vítima. Ronildo, que parecia se divertir com a situação, filmou.

Em seguida, o tatuador e o pedreiro soltaram o adolescente e passaram a divulgar o vídeo pelo WhatsApp.


A imagem acabou sendo compartilhada diversas vezes pelo celular, chegando a viralizar no aplicativo. 

O tatuador Maycon Reis e o vizinho Ronildo Moreira foram presos por torturar
adolescente em São Bernardo do Campo (Foto: Divulgação / Polícia civil)

Pedreiro

Ironicamente, um dos dois homens que cometeram a tortura, sob a alegação de estarem fazendo justiça com as próprias mãos, já cumpriu pena de 5 anos e 4 meses por roubo, em regime semi-aberto.


O crime foi cometido por Ronildo no Butantã, na Zona Oeste de São Paulo e condenação promulgada em 22 de novembro de 2008.


Naquela ocasião ele e um comparsa foram presos em flagrante após roubarem a bolsa de uma mulher "mediante grave ameaça", levando os cartões bancários, o telefone celular e objetos pessoas de uma mulher.

Menor


O rapaz de 17 anos negou que tenha tentado furtar a bicicleta de um deficiente físico, como alegaram Ronildo e Maycon.

"Eu estava bêbado, esbarrei na bicicleta e ela caiu", afirmou ele, que disse ter tido "vontade de morrer" depois da tortura. 

O adolescente tem duas passagens por ato infracional, a primeira em 2012, quando teria entrado em um supermercado para furtar comida.

A segunda, em 2017, ele teria entrado em um estabelecimento comercial.

Sobre este ato infracional, ele deveria comparecer a uma audiência da Vara da Infância e da Juventude, mas o procedimento jurídico foi adiado por conta do caso.

Deficiente


O ambulante Ademilson de Oliveira, de 31 anos, dono da bicicleta que seria pivô da agressão ao adolescente que teve a testa tatuada em uma pensão em São Bernardo do Campo, condenou a atitude do tatuador e seu comparsa.

"Não consegui dormir pensando nisso. Fui dormir com medo, meu coração apertado, chorei nessa noite", afirmou Oliveira, que é deficiente físico e vive de vendas e do dinheiro que pede no semáforo.

Tatuador


A mãe do tatuador Maycon, disse ao G1 que o filho está arrependido por ter tatuado a testa do menor. "Ele é um bom menino.


Ele simplesmente, em uma atitude de nervosismo, agiu de maneira errada. Agiu por impulso, no calor da emoção."


G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

o