segunda-feira, 12 de junho de 2017

IVAIPORÃ

 Consegs da região organizam manifesto em prol de melhorias na cadeia

Será realizado, no dia 22 de junho, às 10h00, na Praça Manoel Teodoro da Rocha
O presidente do Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) de Ivaiporã, Jair Burato, convocou a população de Ivaiporã, Jardim Alegre, Ariranha do Ivaí, Arapuã e Lidianópolis para se juntar ao manifesto que será realizado, no dia 22 de junho, às 10h00, na Praça Manoel Teodoro da Rocha, em Ivaiporã, com o objetivo de alertar o Governo do Estado para a imediata transferência de presos condenados e execução de obras na carceragem da 54ª Delegacia de Polícia Civil de Ivaiporã, que tem capacidade para 32 presos, mas se encontra com 166 detentos. Desse total, cerca de 70 presos são condenados e devem cumprir pena em penitenciárias, e não em carceragem, onde devem ficar apenas presos provisórios. Os representantes dos municípios se prontificaram a providenciar ônibus para transportar a população a Ivaiporã, onde será convidada a assinar um abaixo-assinado, exigindo providências que amenizem a superlotação na carceragem, e onde as tentativas de fuga aumentaram entre janeiro e junho. A decisão foi tomada, na quinta-feira, dia 8 de junho, no salão nobre da Prefeitura, após o presidente do Conseg de Ivaiporã, Jair Burato, convocar uma reunião em caráter de urgência com os prefeitos de Ivaiporã, Jardim Alegre, Ariranha do Ivaí, Arapuã e Lidianópolis; delegado da 54ª Delegacia de Polícia Civil, Gustavo Dante; subcomandante da 6ª Companhia Independente de Polícia Militar de Ivaiporã, capitão Élio Boing; presidente da Câmara de Vereadores, Nando Dorta; representantes da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Ivaiporã, Ministério Público, Poder Judiciário e Corpo de Bombeiros; presidentes dos Consegs da região; Apac (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados); Lojas Maçônicas; líderes comunitários; Acisi (Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Ivaiporã); e profissionais dos meios de comunicação. Sistema elétrico e doenças - Durante a reunião, o delegado Gustavo Dante projetou imagens e explicou a situação em que se encontra a carceragem da 54ª Delegacia de Polícia Civil, alertando para o risco iminente de rebelião, fuga em massa, curto circuito no sistema elétrico e epidemia de doenças contagiosas, uma vez que há presos com tuberculose e HIV – por exemplo. Com o manifesto e o abaixo-assinado, Gustavo Dante declarou que espera pelo menos minimizar o problema da superlotação e da falta de infraestrutura na carceragem. “Gosto muito de trabalhar em Ivaiporã, onde é grande a mobilização das instituições. Por isso, espero melhorar a segurança pública. Nesse aspecto, conto com apoio da população que sempre se mostrou solidária com a Polícia Civil”, comentou o delegado, que se mostrou preocupado com o clima de tensão na carceragem. Conforme lembrou Gustavo Dante, as constantes tentativas e fugas impedem a Polícia Civil de dar sequência ao trabalho investigativo, o que se agrava com a falta de efetivo para atender 5 municípios. “Mas precisamos melhorar as condições humanas dos presos e de trabalho da Polícia Civil, assim como da carceragem”, reforçou Gustavo Dante. O delegado lamentou a frustração que é pernoitar na rua ou passar 24 horas numa espécie de campana para evitar fugas. “Quando pedimos apoio à Polícia Militar para realizar Bate-Grade, o comandante de Ivaiporã, Laércio Sagati, solicita reforço em Apucarana, porque o efetivo de Ivaiporã não é suficiente”, contou que Gustavo Dante. Pastor comenta situação - O pastor Osias Mainardes, que propôs o abaixo-assinado e prega a palavra na carceragem, reconheceu que superlotação reflete a queda na criminalidade, mas leva a perda da dignidadehumana dos presos, que não têm espaço para dormir e nem condições de higiene. “A superlotação também envolve saúde pública, porque eles dormem em colchões molhados e vivem doentes – sem mencionar que os presos convivem com ratos, baratas, percevejos e piolhos”, relatou Mainardes. O vice-presidente do Sidepol (Sindicato dos Delegados de Polícia do Paraná), Ricardo Casanova, que participou da reunião a convite do delegado Gustavo Dante, enalteceu a união do poder público e da sociedade civil organizada, assegurando que, sem mobilização, não haverá mudanças. “A carceragem de Ivaiporã é um caos! Os presos podem fugir a qualquer momento, apesar do grande esforço da Polícia Civil, que se depara com dificuldades para atender a população e investigar crimes devido ao tempo que dedica a cuidar de presos e a tapar túneis”, analisou Casanova. O prefeito Miguel Amaral disse que a Prefeitura sempre ajuda quando solicitada. Em seguida, o prefeito de Lidianópolis Adauto Aparecido Mandu e o vice-prefeito de Jardim Alegre, Márcio Sanvesso, solidarizaram-se com a causa da Polícia Civil e estão dispostos a somar forças com o prefeito de Ivaiporã, Miguel Amaral, para ir a Curitiba ou a Brasília lutar por melhores condições na carceragem e garantia dos direitos humanos dos presos. O prefeito Miguel Amaral disse que, por vezes, a população critica o poder público como se fosse responsabilidade do município. No entanto, apesar de a segurança pública ser dever do Estado, a Prefeitura sempre atende aos pedidos do Conseg e da Polícia Civil, no sentido de fornecer materiais e mão de obra para tapar os túneis na carceragem. Nesta segunda-feira, dia 12 de junho, Miguel Amaral foi a Curitiba e irá informar os deputados de base Ademar Traiano, Alexandre Curi e Artagão Júnior, sobre carceragem de Ivaiporã. “Estes deputados são grandes parceiros do município, ajudam em diversas áreas e acredito que serão solidários a esta causa”, antecipou Miguel Amaral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

o