segunda-feira, 12 de junho de 2017

É NOTÍCIA.



Jovem alega que foi coagida a gravar vídeo e denuncia pai por agressão.
Estudante foi à delegacia acompanhada de amigos e familiares (Foto: José Claudio Pimentel/G1)A estudante Gloria Maria de Souza Rocha, de 17 anos, moradora de Santos, no litoral de São Paulo, fugiu de casa para não ser mais agredida pelo pai que, segundo ela, também violenta a mãe. Essa foi versão que a adolescente apresentou à Polícia Civil na noite de domingo (11), acompanhada de amigos e familiares.
O rosto de Gloria se espalhou na internet depois que o pai, o escritor Joselito Oliveira Rocha, de 40 anos, pediu ajuda ao alegar que filha havia sumido após ter sido deixada na escola há uma semana. Cinco dias depois, a jovem foi encontrada, voltou para casa e ainda gravou um vídeo ao lado dele para dizer que estava bem.
Acompanhada de um conselheiro tutelar, da coordenadora da escola onde estuda, de amigos e da irmã biológica, que havia sido separada dela há 16 anos, a jovem prestou depoimento. Antes disso, a mãe dela, Maria José de Souza Franklin, de 44 anos, segundo as testemunhas, foi levada pelo pai, que fugiu para lugar incerto.
Gloria informou à polícia que não foi sequestrada, mas que saiu de casa por causa da tortura que era praticada contra ela e a mãe por Joselito. No dia do suposto desaparecimento, a jovem esclareceu que realmente não assistiu às aulas e deixou o colégio para ser acolhida por um amigo que mora na mesma cidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

o