sexta-feira, 19 de maio de 2017

A CASA CAIU.



Dono da JBS diz ter transferido US$ 150 milhões no exterior para campanhas de Lula e Dilma.
Imagem relacionada
O dono da JBS, Joesley Batista, disse que transferiu para contas no exterior US$ 70 milhões destinados ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e mais US$ 80 milhões em conta, também no exterior, em benefício da ex-presidente Dilma Roussef.
Os montantes, afirmou, foram enviados por meio do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e gastos "tudo em campanha" (veja a partir de 30 minutos segundos e 30 segundos no vídeo acima). Joesley falou que tanto Lula quanto Dilma tinham conhecimento dos repasses.
A ex-presidente Dilma negou irregularidades, e disse que "são improcedentes e inverídicas as afirmações do empresário" (veja nota no final do texto).
A declaração foi dada por Joesley em 3 de maio de 2017 na sede da Procuradoria Geral da República, em Brasília. "Teve duas fases, a do presidente Lula e teve a fase da presidente Dilma", disse. "Na fase do presidente Lula chegou a US$ 80 milhões de dólares, na fase da presidente Dilma chegou a uns US$ 70 [milhões]. Ou ao contrário: US$ 70 [milhões] na do Lula e US$ 80 [milhões] na da Dilma."
Joesley disse que inicialmente não tinha se dado conta de que os valores eram destinados às campanhas eleitorais de Lula e Dilma. Ele afirma ter percebido quando, ainda segundo ele, Guido pediu a abertura de uma segunda conta, em nome do próprio empresário. "Foi aí a primeira vez que eu desconfiei que o dinheiro não era dele [Guido]" (veja a partir de 32 minutos e 15 segundos no vídeo acima).
"Quando terminou o governo Lula, ele falou: agora tem que abrir outra conta. Essa conta é da conta do Lula. Essa aqui.. tem que abrir uma para Dilma", disse. Fiz uma pergunta pra eles sabem disso? Lula sabe disso, Dilma sabe ? Não, sabe sim, eu falo tudo pra eles" (veja a partir de 33 minutos e 7 segundos). Ele disse levar frequentemente o extrato das contas para o então ministro.
Em 2014, Joesley disse ter sido chamado por Guido e orientado a doar, a partir das mesmas contas, dinheiro para candidatos do PT e de outros partidos --citou PMDB e PC do B. "Quando eu percebi que as doações estavam indo para valores estratosféricos, eu fui lá no ministro e disse, por mais que a maior parte tenham sido oficiais, o número vai ficar muito discrepante em relação ao segundo [maior doador]". O ministro então lhe disse, ainda segundo Joesley: "Tem que fazer".
O empresário afirma ainda ter falado com Lula a respeito. "Eu conheci o presidente Lula em 2013.
A JBS e os irmãos Joesley e Wesley Batista fecharam delação premiada, homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

o